Adolpho de Oliveira Franco

Adolpho de Oliveira Franco nasceu em Ponta Grossa, Paraná, a 12 de novembro de 1915, filho de João de Oliveira Franco e Hilda Faro Oliveira Franco. Fez o curso fundamental no Colégio Santa Maria, em Curitiba, tendo concluído o curso de Direito na Faculdade Nacional de Direito, no Rio e Janeiro.

Exerceu os seguintes cargos: diretor jurídico da Caixa Econômica Federal, advogado e diretor do Banco Comercial do Paraná S.A., presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Paraná, diretor da Carteira de Crédito Rural e Industrial do Banco do Brasil, diretor da Associação Paranaense dos Cafeicultores e senador da República em 1962.

Foi eleito pela Assembléia Legislativa do Estado para período de 10 meses, completando assim o quatriênio do governo Munhoz da Rocha.


Sua eleição resultou do consenso dos grandes partidos que aceitaram seu nome como ideal para a fase de transição, dado seu equilíbrio e eqüidistância no pleito sucessório. Recebeu 40 votos numa Assembléia de 45 membros. Apenas 5 deputados do Partido Trabalhista Brasileiro negaram a sufragar-lhe a candidatura. Formou um secretariado suprapartidário e procurou presidir as eleições governamentais com isenção e imparcialidade.

As forças políticas que haviam dado sustentação ao governo anterior diluíram-se com a retirada do senhor Munhoz da Rocha para o plano federal. Como conseqüência, os partidos da coligação apresentaram candidatos próprios. O Partido Social Democrático que encarnava a oposição beneficiou-se dessa divisão e elegeu, pela segunda vez, Moysés Lupion.

Durante os poucos meses de administração, o governo Oliveira Franco procurou aplicar sua experiência adquirida no governo da União para fortalecer a economia estadual. Transformou a Fundação de Assistência ao Trabalhador Rural em Instituto de Fomento à Lavoura e procurou institucionalizar organismos que servissem de intermediação entre o Banco Central e as atividades produtivas paranaenses.

Institucionalização providencial foi a do PLADEP, órgão originário ainda no governo Lupion e que despertou a consciência dos governantes para a necessidade de planejamento com vistas à atração de investimentos externos para o Estado.

Ao deixar o governo, voltou para a atividade privada, notadamente na área bancária, elegendo-se, mais tarde, senador da República (1962). Cumprido esse mandato, retirou-se definitivamente da vida pública, dedicando-se aos seus misteres empresariais.

Biografia: História biográfica da república no Paraná.
Foto: Galeria do Salão dos Governadores do Palácio Iguaçu, reproduzida por Simone Fabiano.
Recomendar esta página via e-mail: